Divergente - Resenha

Divergente
Verônica Roth
Tradutor: Lucas Peterson
Editora: Rocco
Páginas: 504
ISBN: 9788579801310
Publicação: 2012
Preço de catálogo: R$ 39,50 
Nota: 
Compre:   






Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive. 

Uma das melhores leituras de 2013.  

Divergente é uma distopia. Porém, sou suspeito a escrever, pois, ultimamente, leio muitas distopias e é um gênero que me agrada bastante. A narrativa se passa em uma Chicago Futurista, onde a sociedade se divide em cinco facções: Abnegação (Valoriza o altruísmo acima de tudo); Amizade (Simboliza a felicidade e possui repudio ao conflito humano); Audácia (Os corajosos); Franqueza (Falam sempre a verdade); Erudição (Valoriza à inteligência). Eu geralmente fico com receio de histórias com narração em 1ª pessoa, pois tenho medo de odiar a protagonista, mas isso definitivamente não ocorreu em Divergente.

Os personagens foram extremamente bem elaborados. Todos são interessantes e bem detalhados, o que admiro bastante na autora.

A personagem principal, se chama Beatrice Prior, onde no decorrer da história, passa a ser chamada de Tris. Estava acostumado com personagens, do gênero feminino, possuindo características imaturas ou irracionais, mas Tris não fazia jus ao clichê. Possuia uma personalidade bem forte e marcante, e, ao mesmo tempo, uma determinação sem igual.

Quatro é um personagem que despertou curiosidade, não só em mim, mas em muita gente, pois de início ele era bastante fechado e cheio de segredos/mistérios, mas com o decorrer da história, ele releva, aos poucos, o seu outro lado. Quatro – definitivamente – é o preferido de muita gente.

Outros personagens que também possuem papéis importantes são Christina, Will, Al, Eric e Jeanine.

Divergente, além de apresentar uma leitura fácil, pois a autora conseguiu uma linguagem bem mais acessível do que outros autores, é totalmente viciante. Ler o livro em dois dias no máximo não me surpreenderia. Possui muita ação, romance, tragédias, etc. Recomendo o livro e acredito que todos irão gostar! Embarque nessa trilogia com Verônica Roth e desfrute de uma distopia viciante. 

0 comentários:

Postar um comentário