Insurgente - Veronica Roth




















Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.


Espetacular! 



Estou até agora tentando encontrar um defeito no livro que, assim como em Divergente, me prendeu até seu último ponto final. No segundo livro da trilogia conhecemos o lado mais Abnegação de Tris, talvez por conta de perdas tão importantes que fizeram com que ela começasse a pensar que tinha que honrar a morte de seus entes queridos mesmo que isso colocasse sua própria vida em risco. E isso pode acabar balançando sua relação com Tobias, vulgo Quatro. 


"Amo a Tris, a Divergente, que toma decisões independente de lealdades a facções, que não é o estereótipo de uma facção. Mas a Tris que está fazendo de tudo para destruir a si mesma… não consigo amá-la."


Por conta de todo o caos acabamos conhecendo um pouco mais das outras facções, Amizade e Franqueza e também os sem-facção. Tobias é meio incompreensível nesse livro em relação à Tris. Peter tem um papel super importante, mudei minha opinião em relação a ele e acabou que ele se tornou um tanto simpático. Mas também houveram decepções, como Caleb. 


"As vezes, sinto que estou colecionando as lições que cada facção tem a me ensinar e guardando-as em minha mente, como um guia para me virar no mundo. Há sempre algo a aprender, sempre algo que é importante entender."


O final me surpreendeu bastante, não em relação à Tris e Tobias, mas em relação à como tudo isso aconteceu por conta de uma informação que só irei saber se é boa ou ruim em Convergente (Começando em 3, 2, 1...). 


"- Você estava certa - ele disse, baixinho, equilibrando-se sobre as pontas dos pés. Ele abre um pequeno sorriso - Sei quem você é. Só precisava que me lembrassem disso."


O que eu posso dizer, é que a trilogia me prendeu totalmente desde o primeiro livro e não me decepcionou até agora. Recomendo a todos que leram Divergente e estão em dúvida se leem ou não Insurgente. Vale muito a pena!


Falando Em Livros - 2014






0 comentários:

Postar um comentário