A Revolução dos Bichos - George Orwell



Quatro pernas bom, duas pernas ruim! 

Sempre quis ler alguma obra do Orwell e um belo dia visitando a Livraria Leitura de um novo shopping da minha cidade, me deparei com duas dele: A Revolução dos Bichos (tema do post de hoje) e 1984. Acabei comprando “A Revolução dos Bichos” pelo preço mesmo. 

A Revolução dos Bichos é na verdade, uma crítica a governos totalitários, fazendo alusão ao socialismo soviético liderado por Stalin (Napoleão), mas idealizado e inicialmente proposto por Marx (Marjor).


































A história tem início quando o porco, intitulado Major, tem um sonho e decide fazer uma reunião com todos os animais da Granja do Solar, ele decide expôr aos demais animais as suas ideias: a realização do animalismo, sistema em que TODOS os animais seriam IGUAIS. 

Após a revolução, algumas regras foram criadas, limites foram estabelecidos, propostas foram analisadas, a comida aumentada e os trabalhos divididos. Os bichos apoiaram aquilo: agora trabalhariam e tudo o que conseguissem com o seu trabalho seria voltado como benefício para eles. No início tudo estava certo, todos os animais eram iguais, porém, com o passar do tempo, alguns animais foram se tornando cada vez mais iguais que os outros.

























No livro, encontram-se todos os tipos de personalidades e influências sociais possíveis:

MAJOR: idealizador do animalismo inicial, que defende a igualdade entre os animais. Quatro pernas bom, duas pernas ruim! 

JONES: está mais para o capitalismo/ditadura, é o dono da fazenda e explorador dos animais. Substituído inicialmente por um sistema igualitário que aos poucos vai perdendo espaço para: 

NAPOLEÃO: também está mais para o capitalismo/ditatura. Até então, é o líder da revolução, possui grande força e inteligência. É egoísta e convence a todos com fama de bom líder, íntegro de caráter. 

MOISÉS: religioso. Em meio a todo o sofrimento que se encontra a Granja, o corvo Moisés aparece dando uma solução confortável aos animais fragilizados pela miséria: uma bela vida após a morte, um céu cheio de felicidade. A recompensa por todo o seu trabalho. 

GARGANTA: mídia. Alto poder de persuasão; sempre enviado para, através do cinismo, convencer os animais da granja.


E por fim, ao final da escrita de George Orwell, conseguimos enxergar a essência humana. Pensamos, levantamos os olhos e comparamos um homem e um animal, mas já se torna impossível distinguir quem é homem e quem é bicho. 

     

8 comentários:

  1. Nunca li "A Revolução dos Bichos" mas pretendo brevemente! Me apaixonei pela escrita de Orwell em "1984", um livro que conseguiu me fazer refletir bastante sobre nossa sociedade e o futuro que ela está tomando. Espero que Animal Farm seja tão devastador quanto.

    Beijos,
    http://misssorrisos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Manu! Tudo bom?
      Leia logo porque vale a pena, hehe. Quero tanto ler 1984, mas to enrolando...

      Beijos!

      Excluir
  2. Nunca li nenhuma obra do Orwell, tenho bastante interesse em ler 1984 mas depois de ler a resenha acho que vou querer ler esse primeiro. Abraços!
    http://cafeliterari-o.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Allenylson! Você não sabe o que tá perdendo, haha. Leia esse e depois me diga.

      Abraços!

      Excluir
  3. Hey Fernando!
    Já li ótimas resenhas sobre a Revolução dos bichos. Assim que possível irei lê-lo. Ótima resenha.
    Abraço
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eli! Beleza???
      Pois é, lê logo ele porque é bom demais. Haha.

      Valeu e grande abraço!

      Excluir
  4. Oi Fê, como vai?
    Adorei a resenha de hoje.. Nunca li nadado Orwell e confesso que não sei se vou ler em breve, pois não faz muito o meu estilo. Mas com certeza é uma ótima pedida para sair da zona de conforto, né?
    Beijo grande ♥

    Thati;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thati! Vou bem e você?
      Obrigado!!! E por favor, leia logo Orwell, haha. Sim, uma ótima pedida.

      Beijão!

      Excluir